Você realmente valoriza as pessoas?

Você realmente valoriza as pessoas?

Quero lhes contar um pequeno segredo de liderança: todo líder valoriza as pessoas. Mas pouquíssimos as valorizam de verdade. 

Por um lado, todo líder que conheço valoriza as pessoas. Eles valorizam as pessoas principalmente pela razão pragmática de que precisam delas para atingir seus objetivos de liderança. Todo líder sabe que nada substancioso pode ser realizado por conta própria. Para alcançar algo significativo, o líder precisará da contribuição de outras pessoas. 

O que os bons líderes – e, mais importante, os líderes instituídos por Deus – apreciam, é que valorizar as pessoas pelo que elas podem fazer por você não é realmente valorizá-las. Esse tipo de “valorizar as pessoas” pode ser descrito de maneira mais grosseira como “usar pessoas”. Um líder que pensa que valoriza as pessoas porque precisa que as pessoas avancem em sua agenda, precisa considerar se ele realmente valoriza as pessoas que lidera ou se está simplesmente as usando. 

Valorizar verdadeiramente as pessoas – em vez de apenas usá-las – envolve uma abordagem muito diferente das pessoas que você lidera. E essa abordagem não é apenas pragmática; é muito mais profunda, começando com a atitude de coração em relação às pessoas que nos rodeiam 

Simplificando: valorizar as pessoas de verdade começa por amar mais do que precisar delas. A verdadeira valorização das pessoas começa por apreciar o seu valor inerente – como pessoas. E esse valor se expressa cuidando mais delas do que daquilo que elas podem fazer. É assim que Deus quer que tratemos os outros. Ele quer que nós os amemos mais do que amamos liderá-los. 

Então, aqui vai uma rápida avaliação pessoal. Considere as seguintes diferenças entre ‘valorizar’ e legitimamente valorizar pessoas: 

Meu objetivo final é o avanço de meus propósitos ou de um propósito maior? 

O primeiro teste decisivo envolve o objetivo final da liderança. Se eu me importar mais com o que quero, as pessoas serão apenas ferramentas para mim. Mas se estou genuinamente focado no que Deus quer – e a prioridade de Deus é o amor, então meus objetivos para aqueles que lidero serão mais sobre experimentar o amor de Deus através de mim e expandi-lo para os outros. Quando sou claro sobre as prioridades de Deus, concentro minha liderança em amar as pessoas. 

Quando me envolvo com aqueles que lidero eu me preocupo tanto como estão indo quanto com o que estão fazendo? 

A maioria dos líderes se envolve em algum tipo de tipo de reunião individual com os membros de sua equipe. Nessas conversas, o foco de sua discussão é exclusivamente sobre o trabalho e o avanço das coisas, ou você cria um espaço simplesmente para se conectar com suas vidas  para conhecer melhor as pessoas, ouvir seus corações, participar de suas lutas e ter empatia pelos desafios que estão enfrentando como pessoas, não apenas como funcionários que trabalham para você? Valorizar verdadeiramente as pessoas significa vê-las como pessoas – não apenas como dispositivos que podem fornecer resultados para você. 

Eu vejo as pessoas que lidero como implementadoras dos meus objetivos ou colaboradores sobre como podemos alcançar mais e melhor juntos? 

Uma das maneiras mais significativas pelas quais podemos valorizar as pessoas é dando-lhes voz. Quando as pessoas estão simplesmente sendo usadas por um líder, não há tempo para isso. Um líder que realmente valoriza as pessoas aprecia que elas sejam mais do que um conjunto de habilidades a serem utilizadas; cada pessoa traz uma perspectiva importante que pode contribuir para melhorar as coisas. 

Qual é a proporção de perguntas que você faz àqueles que lidera, em comparação com as instruções que fornece? Você respeita as pessoas ao seu redor o suficiente para acreditar que suas perspectivas são essenciais para tornar o que você faz melhor?  

Como me relaciono com as pessoas que liderei que não são mais úteis para mim?

Para mim, esse pode ser o teste mais difícil de todos. Seja pelo ritmo do trabalho ou pela agitação da vida, quando alguém não trabalha mais para você – e, portanto, não tem mais valor operacional prático para você, ele ainda importa para você? Você ainda mantém contato? Ainda está interessado na vida dele e no que ele está fazendo? Você ainda valoriza sua opinião como alguém anteriormente envolvido e familiarizado com o seu trabalho? O maior teste do valor legítimo que damos às pessoas é a forma como nos relacionamos com elas depois que elas saem da nossa equipe e não têm mais valor direto para nós.  

Então, como você faz? Há mudanças que você precisa fazer em sua liderança para valorizar as pessoas em maior grau?  

A vida e o ministério de Jesus podem ser nosso guia. 

Ele tinha um trabalho muito importante a fazer. Mas enquanto espalhava a mensagem de Deus ao mundo, ele valorizou as pessoas. Ele arranjou tempo para elas, se importava com elas como pessoas. Ele estava preocupado com suas vidas. Seu objetivo para eles não era apenas o de aderirem ao programa dele, mas o de encontrar o amor de Deus e se transformarem na melhor versão de si mesmos. Ele os amou mais do que amou liderá-los.  

E quanto a você? Você apenas valoriza as pessoas? Ou você realmente valoriza as pessoas? 


Texto de Jeff Lockyer via GLN

Jeff Lockyer é o pastor principal da Igreja Southridge Community (St. Catharines, Ontário), um movimento multi-locais, em que cada local atende a uma necessidade da comunidade, em sua parte da região de Niagara. Ele é apaixonado pelo desenvolvimento de Liderança, atuando como Presidente do Conselho da Global Leadership Network Canadá e co-organizando o Podcast GLS do Global Leadership Summit. Ex-corredor da equipe nacional, Jeff mora em St. Catharines com sua esposa Becky e três filhos. 

Posts Relacionados

Deixeum comentário