A arte perdida da simplicidade

A arte perdida da simplicidade

Defender o poder da simplicidade não é tarefa fácil. E, no entanto, mais do que nunca, estou convencido de que a simplicidade é a mercadoria mais escassa entre os líderes e provavelmente a mais importante. Aqui estão algumas boas citações que atestam isso em nível teórico. 

Leonardo da Vinci disse: “Simplicidade é a sofisticação máxima”. 

Henry Wadsworth Longfellow escreveu uma vez: “No caráter, na maneira, no estilo, em todas as coisas, a excelência suprema é a simplicidade”. 

Albert Einstein acreditava que “a maioria das idéias fundamentais da ciência é essencialmente simples e pode, em regra, ser expressa em linguagem compreensível para todos”. 

Tendência em adicionar complexidade desnecessária

No entanto, em minhas consultorias a organizações de todos os tipos, de empresas de alta tecnologia a igrejas e Bancos, acho que há uma tendência natural entre os líderes gerentes de adicionar complexidade desnecessária a situações, problemas, descrições e soluções. Como resultado, os planos não se concretizam, os funcionários ficam confusos, os clientes ficam decepcionados e os líderes ficam desanimados. 

Então, por que os líderes fazem isso? Por que complicariam seus mundos e criariam problemas para eles e para suas organizações? 

Primeiro, tenho que acreditar que eles não sabem que estão fazendo isso. Com base na minha experiência, os executivos geralmente não gostam de tornar suas próprias vidas mais difíceis. Mas como é exatamente isso que eles estão fazendo, deve haver uma causa oculta poderosa. Meu palpite é que isso tem a ver com orgulho – geralmente do tipo intelectual. 

Pense bem: quando alguém adquire uma grande quantidade de conhecimento por meio da educação, seja formalmente em uma universidade ou lendo vorazmente sobre um determinado assunto, é natural que eles desejem empregar esse conhecimento. Na verdade, eles provavelmente vão querer usá-lo, mesmo que não seja necessário ou útil. 

Caso contrário, eles terão que admitir que todo o tempo, esforço e dinheiro investidos na aprendizagem podem ter sido um desperdício. 

Um exemplo de fora do mundo dos negócios pode ser útil aqui. Considere um nutricionista que estuda nutrição e fisiologia do exercício por vários anos na escola. As pessoas a contratam para ajudá-los a perder peso e ficar em forma. Poucas pessoas na situação dela ficarão satisfeitas simplesmente dizendo aos clientes para comer porções menores, exercitar-se todos os dias e evitar um ou dois alimentos particularmente prejudiciais. 

Embora essa seja uma solução mais compreensível, confiável e viável do que uma combinação complexa de vitaminas, suplementos, aulas de pilates e ioga subaquática, a última opção parece ser uma receita mais comum, pelo que indicam as capas das revista que eu vejo nas filas do caixa do supermercado 

O mesmo ocorre entre executivos que complicam demais o trabalho nas áreas de gestão, estratégia ou marketing. 

Programa exaustivo de feedback de 360 ​​graus ou sentar para uma conversa?

Por exemplo, muitos CEOs que se deparam com um executivo difícil em sua equipe gastam grandes quantidades de tempo, energia e dinheiro adquirindo um coach executivo ou realizando um programa exaustivo de feedback de 360 ​​graus quando o que precisam fazer é apenas sentar e com jeito, dizer ao cara que ele está agindo como um idiota e que precisa parar. 

Suponho que um gerente de posto de gasolina ou dono de restaurante bem-sucedido faria isso, mas, novamente, eles provavelmente não estão sobrecarregados por conhecimento excessivo ou por uma educação excessivamente sofisticada. 

No que diz respeito ao gerenciamento de prioridades e projetos dentro de suas organizações, muitas equipes de executivos usam os sistemas mais complicados e detalhados, mas muitas vezes permanecem confusos sobre o que está acontecendo ao seu redor. Sempre fico impressionado com a receptividade dos CEOs e de suas equipes quando os apresentamos ao nossa tabela de desempenho simples, de uma folha – aquele que usa a abordagem verde, amarela e vermelha para avaliar o progresso. 

Não há nada sofisticado ou complexo nisso, e suponho que seja justamente a razão pela qual é tão bem-vindo. 

Provavelmente não deveria ser uma surpresa que tantos empreendedores de sucesso tenham desistido da faculdade ou possuam formação educacional relativamente modesta e que relativamente poucos deles sequer tenham um doutorado. Uma pessoa com um histórico humilde terá mais facilidade em ser humilde e abraçar uma ideia ou abordagem que não é incrivelmente impressionante, mas simplesmente funciona. 

A medida real de uma idéia, sistema ou abordagem para um problema não deveria ser se ele/a realmente funciona ou não? Para muitos executivos, apaixonados por sofisticação, isso não basta. Muitas vezes, eles parecem decepcionados com soluções simples, mas eficazes, para problemas aparentemente complexos. 

Acho que uma das razões para essa decepção é que soluções simples geralmente exigem disciplina e trabalho duro ao longo do tempo, enquanto as sofisticadas parecem balas de prata brilhantes, capazes de fazer com que um problema desapareça com um único tiro inovativo. Após anos estudando, lendo e aprendendo, pode ser desconcertante chegar à conclusão de que o sucesso se resume ao bom senso e à disciplina. 

Sem dúvida eu entendo por que muitos de nós são tão atraídos por inovação e sofisticação. Afinal, é aí que a maioria da nossa mídia e comunidade acadêmica concentra sua atenção. 

As soluções simples e viáveis ​​para os problemas geralmente não provocam matérias de capa de revista, artigos de periódicos em escolas de negócios ou recursos no noticiário noturno. Mas fazem empresas bem-sucedidas, funcionários informados e clientes fiéis. 

 Eu acho que isso terá que ser suficiente por enquanto. 


Texto de Patrick Lencioni  via GLN

Patrick Lencioni é autor de 11 livros best-sellers com mais de 5 milhões de cópias vendidas, incluindo “Os 5 desafios das equipes”. Dedicado a servir a organizações com ideias, produtos e serviços que melhorem o trabalho em equipe, sua clareza e o engajamento dos funcionários, seus modeos de liderança atendem à diversa base da Fortune 500, desde empresas a organizações esportivas profissionais e Igrejas.  

Posts Relacionados

Deixeum comentário