6 comandos internos para evitar potencias conflitos

6-comandos-internos

“Eu poderia concordar com você, mas então nós dois estaríamos errados.”
Russell Lynes

 

Você sabia que cada um de nós tem um sistema integrado de alerta antecipado que usa pelo menos seis comandos internos específicos para detectar conflitos em potencial?

Giselle Jenkins, Diretora Cultural da Consultoria BCWI, aproveitou 20 anos de experiência em RH com organizações cristãs para identificar seis comandos internos valiosos que ajudam a antecipar e até mesmo evitar conflitos desnecessários e prejudiciais no local de trabalho.

Algumas perguntas simples permitem personalizar cada comando interno:

1. O Comando de Competência

Você trabalhou durante anos para aumentar seu conhecimento e desenvolver suas habilidades pessoais. Mas então surge alguém que não respeita sua inteligência. Se isso despertar raiva dentro de você, pergunte-se:

  • O que há no meu passado que poderia estar vinculado a este comando? Há mágoa não resolvida ou falta de perdão?
  • Sou um aluno contínuo? Até que ponto estou ciente do que não sei?
  • Estou confiante e confortável trabalhando com pessoas com melhores habilidades e mais conhecimento?

2. O Comando de Inclusão

Quase todo mundo anseia ser desejado e visto como um valioso membro valioso na família, na equipe de trabalho, em uma parceria ou em uma amizade. Ser deixado de fora nos faz sentir menor, subestimados e desvalorizados. Se este comando descreve você, pergunte-se:

  • O que há no meu passado que aponta para este comando?
  • Por que não posso ser incluído em algo? Poderia haver uma decisão racional de não me deixarem fazer parte disso, em vez de uma razão negativa?
  • Incluo todos os tipos de pessoas em minhas decisões e meu trabalho? Eu modelo o que eu quero?

3. O Comando de Autonomia

Muitas vezes, a vida pode parecer mais confortável quando nós mesmos controlamos as coisas. Independência e autonomia nos permitem escolher agir de acordo com nosso próprio estilo, preferências, tempo e prioridades. A criatividade prospera em um ambiente menos controlado; a maioria das pessoas odeia ser microgerenciada. Se você já está balançando a cabeça com um “sim”, considere:

  • O que no meu passado pode estar ligado a este comando? Houve um tempo em que alguém tentou me controlar?
  • O que pode estar me deixando desconfortável para me ajustar a uma abordagem mais confiável versus independente?
  • A falta de confiança às vezes é uma razão pela qual as pessoas preferem autonomia. Como posso aumentar minha confiança nos outros?

4. O Comando de Status

No dicionário, o status é definido como “posição ou posição em relação aos outros. Por exemplo, o status de um patrão” ou “posição relativa em uma hierarquia de prestígio, especialmente alto prestígio”. Status também significa responsabilidade: status em tempo integral significa que trabalhamos mais de 40 horas por semana. O status de supervisor nos torna responsáveis pelo bem-estar dos outros. A fidelidade a uma instituição nos dá status, como pontos e consideração especial. Se você concorda com isso, pergunte-se:

  • Por que é importante para mim ter meu status reconhecido e respeitado? É por um motivo “nobre”?
  • Refletindo profundamente quanto a mim, eu quero que as pessoas vejam quem eu realmente sou?
  • Como trato as pessoas que “não têm status”?
  • Como aprender mais sobre liderança servil me fará apreciar esse comando?

5. O Comando de confiabilidade

Pessoas confiáveis são honestas, éticas, compassivas, empáticas, grandes ouvintes, têm integridade e são… confiáveis! A Bíblia nos diz que ser confiável aumenta nossa influência e nos dá mais oportunidades. Quem não quer ser confiável? Pergunte a si mesmo:

  • Quais eventos de vida no passado podem estar fazendo com que eu reaja fortemente quando não me sinto confiável?
  • Há pessoas ou situações com as quais trabalho agora que me deixam frustrado por causa de sua falta de segurança e confiabilidade? Eu me sinto acusado da mesma coisa?
  • Existe uma área em que eu luto para acompanhar e posso estar racionalizando em vez de aceitar que não sou capaz de viver de acordo com um padrão? Como posso resolver isso?
  • Em vez de reagir defensivamente quando minha confiabilidade é questionada, como posso fazer boas perguntas sobre como posso demonstrar que sou confiável?

6. O Comando de Integridade

Todo mundo tem uma bússola moral baseada em seus valores e crenças. Os cristãos têm sua “orientação” claramente definida nas Escrituras. Pessoas com integridade se comportam de acordo com suas crenças em ações, palavras e atitudes. Eles “fazem o que dizem”. Pergunte a si mesmo:

  • Quão forte eu sinto neste comando?
  • Reajo mais às pessoas que questionam os méritos dos meus valores ou às que questionam a minha adesão aos meus valores? O que poderia estar causando isso?
  • O que as Escrituras dizem sobre nosso coração e capacidade de perceber quando estamos fora do caminho?
  • Tenho em minha vida duas ou mais pessoas que possam ser parceiros responsáveis pró-ativos para me ajudar a permanecer em um caminho que alinha consistentemente minhas ações com minhas crenças?

Em sua carta aos Romanos, Paulo pode ter deixado um pouco do melhor para o final quando escreveu: “Portanto, busquemos o que contribui para a paz e para a edificação mútua (Romanos 14:19). Essas palavras podem se traduzir em escuta generosa, compreensão mais clara e confiança mais profunda entre seus funcionários? A votação é unânime: Sim! Conflitos desnecessários não precisam se aplicar.


Texto de Al Lopus

Presidente da Best Christian Workplaces Institute

Posts Relacionados

Deixeum comentário